Escreva-nos!

povo.famalicense@gmail.com

A sua opinião é importante.
Somos um blogue com rosto, pelo que as mensagens anónimas vão direitinhas para o caixote do lixo; se for o caso, indique que deseja permanecer anónimo; mas perante nós, identifique-se, por favor.

domingo, 27 de março de 2011

Faleceu a Professora Edna Cardoso.

Aos 61 anos de idade, vitima de doença incurável a Professora Edna partiu e deixou Famalicão mais pobre e a Redacção d`O Povo Famalicense de luto.

O seu corpo encontra-se na Igreja Matriz (Velha) e as cerimonias fúnebres realizam-se esta segunda-feira às 15,30 horas.

Filomena Lamego

2 comentários:

Lucia Almeida disse...

Parabéns Edna pelo exemplo de vida que nos deixaste...
Famalicão ficou mais pobre, já não será o mesmo sem ti!

Mistério disse...

Professora querida, infelizmente partiste. Sei que não te verei mais sorrindo pelas ruas da cidade, nem encontrarei mais o teu olhar doce e inteligente. Porém, ficam-me nos dedos as tuas palavras, a grande mestre que foste e o ensinamento que me deixaste. Tenho por ti a maior saudade e não há mulher que te chegue aos calcanhares, não que eu conheça, desde a tua cultura, ao teu coração.

Hoje, ouvi a música "Povo que lavas no rio" e lembrei-me de ti. Não pude deixar de chorar e sentir que esta música, este poema, parece ter sido escrito por ti e para mim, define muito o teu coração. Aqui to deixo, como homenagem à pessoa que mais honrou a nossa cidade.

"Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não.

Fui ter à mesa redonda
Bebi em malga que me esconde
Um beijo de mão em mão.
Era o vinho que me deste
Água pura, fruto agreste
Mas a tua vida não.

Aromas de urze e de lama
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição.
Povo, povo, eu te pertenço
Deste-me alturas de incenso,
Mas a tua vida não.

Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão.
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida, nao! "

- Amália Rodrigues


Até sempre, professora querida!


Susana Oliveira